Por Lugares Incríveis: Não é sobre amor, mas poderia.

Na dúvida, não diga nada
27 de janeiro de 2021
Essa vaga, serve mesmo para você?
2 de julho de 2021
Sim, poder ser que hajam spoilers, sugiro que veja o filme e depois leia o livro, vá por mim, será uma experiência marcante.


Se você gosta de um filme adolescente, estilo comédia romântica clichê, esse filme não é para você. Mas é bem provável que você goste dessa história, pelo simples fato dela falar de sentimentos.

Aliás o que não faltam são sentimentos nessa história. Antes de mais nada, gostaria de começar com a famosa batalha LIVRO X FILME no caso de Por Lugares Incríveis, recomendo os dois, preferivelmente primeiro o filme, seguido do livro.

FILME X LIVRO

Conheço algumas pessoas, que defendem a ideia de que os livros nunca superam os filmes, em partes eu concordo, no entanto tenho uma teoria para esta questão.

Quando lemos a história de um livro, por mais que o autor tenha nos dado todos os detalhes sobre os personagens, desde cor do cabelo e da pele, até o modo de falar ou andar, ainda assim o que prevalece é a imaginação de quem está lendo, ou seja, a minha ideia de uma moça loira é completamente diferente de outras pessoas, ninguém imagina igual.

Depois que criamos o personagem em nossa mente, o fato de vermos ele na tele, tende a nos causar uma certa decepçãozinha, afinal, ali na tela está a imaginação de outra pessoa.

Por essa razão inicial, recomendo que, se você não conhece a história, comece pelo filme, assim você já se acostuma com os personagens e o impacto e a decepção podem ser minimizados.

Outro ponto importante, que algumas pessoas levantam é a premissa de que se verem o filme perderão a vontade de ler o livro. Sobre isso eu acredito que há uma certa “desculpa”, pois quem gosta de ler não irá se importar tanto assim. Principalmente, porque no caso de Por Lugares Incríveis, o melhor está no livro e não no filme.

Então, se você gosta de detalhes, pegue as almofadas e se acomode em sua melhor poltrona, pois a história no livro é bem mais rica que no filme.

Dito tudo isso, sugiro que se você não assistiu ao filme ou não leu ao livro e não gosta de spoiler, PARE POR AQUI e só retorne quando tiver feito uma das duas coisas.

QUEM É QUEM NA HISTÓRIA

Por Lugares Incríveis trás a história de Violet e Finch, ela passando pelo luto, da morte da irmã mais velha, conhece Finch em dois lugares diferentes ( sim, filme e livro contam histórias diferentes) enquanto no filme Violet vai até a ponte em que aconteceu o acidente de carro com a irmã, no livro o encontro dos jovens é na torre do sino, no colégio, nessa narração Finch, acostumado a subir para olhar a vida de cima e pensar sobre sua morte, encontra Violet e não permite que a jovem pule de lá de cima, assim para quem assiste a cena de baixo, acredita quem quem pensava em pular fosse Finch, fazendo com Violet saia como sua salvadora e para Finch, só mais um rótulo para sua coleção.

Esse é o primeiro contato entre os jovens, a amizade e posteriormente o amor, surgem por meio da insistência de Finch, em fazer o trabalho da escola com Violet Markey.

E assim, os dois jovens visitam Lugares Incriveis em Indiana e muito siginifcativos para ambos.

Apesar da história ser sim, bem bonita, é também triste – LA VEM O SPOILER – Finch morre, o que você não sabe e certamente ficará sem saber, caso se limite a assistir o filme, são as razões para as quais isso acontece.

APRESENTANDO: THEODORE FINCH

Seja no livro ou no filme, você não conhecerá muito sobre a familia de Finch, o garoto é solitário mesmo, e mesmo que tenhamos poucas ou nenhum ( nesse caso no filme) da presença de seu pai, mãe, irmãos mais novos e madrasta, eles existem, e você os conhece por meio das falas de Finch, contando apenas para o leitor.

Os pais de Finch se divorciaram, deixando no jovens e em suas irmãs Decca e Kate, o sentimento de abandono. Por mais que os três o visitem aos domingo, em Finch essa aproximação obrigatória trás a tona sentimentos e lembranças de uma relação nada saudável entre pai e filho.

Quanto a sua mãe, temos notícias dela em pouquíssimos momentos: quando Finch comenta sobre a presença da mãe em casa e falando sobre o quanto ela trabalha e que nunca está em casa e claro, em sua morte.

Em demais momentos Theodore ou está com os amigos, ou … nem os amigos sabem, pois ele tem o hábito de sumir, por horas ou dias, a mãe não se importa, Kate, diz que ele é assim mesmo, os amigos, se irritam mas dizem estarem acostumados ” Finch é assim mesmo, daqui a pouco ele aparece”. Mas para Violet, o sumiço de Finch é estranho e inquietante.

Dentre as bandeiras por ele levantada, estão os rótulos dados as pessoas que possuem uma doença mental, durante uma das reunião do grupo em que participava, ele diz a si mesmo:

Ao que tudo indica, Finch possa ser Bipolar, e esse rótulo o irrita, certamente esta dentre as razões de suas dificuldades na relação com o pai.

O adolescente é inteligente, carismático, mas ainda ainda assim sofre, com a solidão que sente, razão essa que o faz se aproximar de Violet, na torre do sino ou na ponte. Ao ver a ajovem naquele lugar, é como se ele estivesse olhando para ele mesmo, com a necessidade de que alguém o viesse resgatar.

No entanto, suas dores estão profundas demais e quando a Ultravioleta Marcante (apelido que Finch dá a Violet) chega em sua vida, já é um tanto tarde, pois como “última missão” ele decide salva-la apenas.

Em diversos trechos do livro, o adolescente trás informações sobre o suícidio e os transtornos mentais, e para quem tem um pouco mais de sensibilidade, é bem fácil entender que não se trata de um sentimento de vazio existencial bobo, tipico de adolescentes, o sofrimento de Violet e de Finch, são reais, são genuínos. Deles e de outros jovens presentes na narrativa, uma das amigas de Violet, participa do grupo de apoio de Finch.

RESUMINDO…

Por Lugares Incríveis, não é uma história de amor, mas poderia facilmente ser , já que por meio do olhar e sobretudo dos sentimentos de Theodore Finch, o leitor ou espectador, pode entender que as vezes, quem estende a mão a outra pessoa, pode estar pedindo ajuda, gritando por socorro.

Finch enxerga a dor em Violet, quando a conhece, porque ele mesmo já vinha sentindo, enquanto os amigos, e mesmo os pais dela diziam que era preciso que ela saisse dessa ( referindo-se ao luto), Finch foi o único capaz de responder com sensibilidade, pois entendia que a sua volta as pessoas também não o compreendiam, afinal estavam todos tão ocupados sempre.

***

Ana Paula
Ana Paula
Gosta de gente, de ouvir e de falar. Ama um áudio longo, café e chá. Tereré também, anota aí na lista, e mais um tanto de outras coisas que até Deus dúvida.. Há, é psicóloga também, pode indicar. E caso precise, pode com a Ana contar ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *